Governo do Distrito Federal
8/05/22 às 11h05 - Atualizado em 8/05/22 às 11h05

A EAPE parabeniza as servidoras pelo Dia das Mães!

COMPARTILHAR

A Subsecretaria de Formação Continuada dos Profissionais da Educação (EAPE) parabeniza as servidoras pelo Dia das Mães. Todas as mulheres são contempladas com essa homenagem, pois há diferentes formas de maternar.

A partir do site lunetas.com.br, mensagens inspiradoras de trechos de poemas foram selecionadas para celebrar essa data tão significativa.


Para mães ausentes, Carlos Drummond de Andrade reflete sobre como elas sempre permanecem por perto e dentro da gente porque são feitas de eternidade.

 

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.”


Cora Coralina canta a potente matriz feminina que nos atravessa a todos.

Renovadora e reveladora do mundo
A humanidade se renova no teu ventre.”


Em Mario Quintana, aprendemos que as palavras de louvor às mães nunca serão suficientes se comparadas ao amor que elas nos dedicam.

 

Para louvar a nossa mãe,
Todo bem que se disser
Nunca há de ser tão grande
Como o bem que ela nos quer.”


Conceição Evaristo destaca os aprendizados que recebeu da mãe, apesar das dificuldades de uma infância sem fartura, e recupera as raízes da cultura negra.

 

Foi de mãe todo o meu tesouro
veio dela todo o meu ganho
mulher sapiência, yabá,
do fogo tirava água
do pranto criava consolo.”


Cecília Meireles escreve sobre a liberdade dos filhos e da constante vigília das mães, mesmo que distantes.

Nossos filhos têm outro idioma, outros olhos, outra alma.
Não sabem ainda os caminhos de voltar, somente os de ir.
[…]
Nossos filhos passaram por nós, mas não são nossos,
querem ir sozinhos, e não sabemos por onde andam.
[…]
Nós estamos aqui, nesta vigília inexplicável,
esperando o que não vem, o rosto que já não conhecemos.
Nossos filhos estão onde não vemos nem sabemos.”


Na mesma linha vai Vinicius de Moraes ao pedir que a mãe abrande seu medo em um breve retorno à infância.

Nina o meu sono cheio de inquietude
Batendo de levinho no meu braço
Que estou com muito medo, minha mãe.
Repousa a luz amiga dos teus olhos
Nos meus olhos sem luz e sem repouso
Dize à dor que me espera eternamente
Para ir embora.”


Mia Couto destaca o poder gerador do ventre materno.

Na barriga da mãe,
não se tece apenas um outro corpo.
Fabrica-se a alma.”


Luz e sombra é o tema abordado por António Ramos Rosa e a combinação de ambos os elementos, da qual somos feitos, seria o caminho para o amor verdadeiro.

Conheço a tua força, mãe, e a tua fragilidade.
Uma e outra têm a tua coragem, o teu alento vital.
Estou contigo, mãe, no teu sonho permanente, na tua esperança incerta
Estou contigo na tua simplicidade e nos teus gestos generosos.”


Como um farol sempre a nos iluminar, Paul Celan aponta para a onipresença das mães nestes versos.

A alma da tua mãe flutua adiante.
A alma da tua mãe ajuda a noite a navegar, escolha após escolha.
A alma da tua mãe fustiga os tubarões à tua frente.”


O excerto escolhido de Alice Ruiz diz da experiência do corpo após a maternidade e como as exigências de contentamento se expandem, porque o coração já conheceu “o muito”.

 

Depois que um corpo
comporta
outro corpo
nenhum coração
suporta
o pouco.”


Coelho Neto traz a voz do filho que tem medo intercalada à voz da mãe que vela e que estará feliz se o filho estiver feliz, como um espelho.

Aninha-me em teu colo como outrora
Dize-me bem baixo assim: — Filho, não temas
Dorme em sossego, que tua mãe não dorme.
[…]
Dorme, meu filho, dorme no meu peito
Sonha a felicidade. Velo eu.
[…]
Todo o bem que a mãe goza é bem do
filho, espelho em que se mira afortunada,
Luz que lhe põe nos olhos novo brilho!”


Florbela Espanca bendiz as mulheres que geram, parem, amamentam, embalam, amam.

“‘Bendita seja a Mãe que te gerou.’
Bendito o leite que te fez crescer
Bendito o berço aonde te embalou
A tua ama, pra te adormecer!”


Eugénio de Andrade resgata a criança que permanece em nós mesmos quando crescemos e nos afastamos da infância.

No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe
Tudo porque já não sou
o retrato adormecido
no fundo dos teus olhos.
[…]
Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!
Olha — queres ouvir-me? —
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos.
[…]
Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.”


O poder que as mães têm de nos acalmar e nos dar colo nos momentos mais difíceis ganha poesia nas palavras de Antero de Quental.

 

[…] Que me leve consigo, adormecido,
Ao passar pelo sítio mais sombrio…
Me banhe e lave a alma lá no rio
Da clara luz do seu olhar querido…”


Olavo Bilac traduz a proteção das mães em asas enormes.

[…] E espalham tanto brilho as asas infinitas
Que expandes sobre os teus, carinhosas e belas,
Que o seu grande clarão sobe, quando as agitas,
E vai perder-se entre as estrelas.”


Nos trechos selecionados do poema de Herberto Helder, há a reflexão sobre o entrecruzamento das histórias até tornar-se um só ser unificado pelo amor.

 

As mães são as mais altas coisas
que os filhos criam, porque se colocam
na combustão dos filhos, porque
os filhos estão como invasores dentes-de-leão
no terreno das mães.
[…]
E através da mãe o filho pensa
que nenhuma morte é possível e as águas
estão ligadas entre si
[…]
E por dentro do amor, até somente ser possível
amar tudo,
e ser possível tudo ser reencontrado por dentro do amor.”


Por fim, os versos de Sérgio Capparelli contam, quase que no tom de uma brincadeira infantil, como a mãe estará sempre presente na vida do filho.

 

[…] teu nome eu trago, mãe,
na palma da minha mão.”


Fonte: lunetas.com.br

Subsecretaria de Formação Continuada dos Profissionais da Educação - Governo do Distrito Federal

EAPE

SGAS 907, Conjunto A - CEP: 70.390-070
(61) 3901-4942
e-mail: eape@se.df.gov.br